Falsete ou Voz de Cabeça

• Inscreva-se em nossa lista VIP e receba muitas dicas!
—>> http://www.aulacanto.com/inscrever_agora

• Conheça o nosso Aplicativo para Celular!
—>> http://www.appcanto.com.br

• Conheça o meu Curso Online!
—>> http://www.alemdavoz.com.br/curso/

• Blog: —>> http://www.aulacanto.com

• Facebook:—>> https://www.facebook.com/aulasdecanto.br

 

Falsete ou Voz de Cabeça

Hoje, vou falar à vocês, o que penso, com relação a Falsete ou Voz de Cabeça.

Falsete ( Do italiano falsetto = “tom falso”) é o registro vocal por meio da qual o cantor emite, de modo controlado (não natural, por isso “falso”), sons mais agudos ou mais graves que os da sua faixa de freqüência acústica natural (tessitura).

Voz de cabeça pode ser usado em relação a uma parte específica da extensão vocal ou o tipo de registro vocal ou uma zona de ressonância vocal.

Qualquer discussão sobre a voz de cabeça e falsete, envolve uma consideração básica de fonação vocal. Ressonância, é claro, tem um efeito sobre a fonação nestas áreas, como em todas as áreas de canto, mas as principais diferenças entre o falsete e voz de cabeça são fonatórias.

As sensações vibratórias que são sentidas na cabeça são fenômenos de ressonância e devem ser descritos em termos relacionados com a ressonância, não aos registros vocais.

A definição moderna de falsete é uma produção da voz em que os músculos Vocais estão inativos e alongados, então, som é produzido pelo sopro de ar sobre as bordas muito finas das Cartilagens aritenóides, ao passo que é controlada principalmente por um controle do fluxo respiratório.

No falsete, o ar é usado de forma menos eficiente, por isto, normalmente, não tem a potência da emissão normal. A prega vocal é esticada de forma diferente, mais alongada, criando então uma fenda fisiológica paralela.

O som da voz de falsete é fraco. Isso ocorre porque as bordas muito finas das pregas vocais alongadas, que não mostram qualquer tensão em oposição à ação tensora das aritenóides, sendo assim são facilmente golpeada pelo sopro e oferece pouca resistência ao fluxo de ar.

O som da voz de cabeça, no entanto, é mais rico em harmônicos e tem o potencial para produzir substancialmente, um som mais puro e limpo.  Isto é causado pelo aumento da tensão das aritenóides,  que criam uma borda ‘mais apertada “ e mais substancial com as pregas vocais que, por sua vez, resiste ao fluxo de ar e cria uma pressão mais perceptível abaixo das cordas vocais (pressão subglotal – Parte inferior da laringe, a área logo abaixo das cordas vocais e para baixo em cima da traquéia) . O cantor pode facilmente sentir essa diferença de pressão do ar,  entre a verdadeira voz de cabeça e o falsete.

É possível mover-se graciosamente entre o falsete e voz de cabeça, e não é difícil determinar, na maioria dos casos, qual voz está sendo usada.

Os vogais têm um forte efeito sobre a transição da voz de peito para a cabeça de voz.

Vogais fechadas, tais como “i” e “u” tendem a reduzir os pontos de mudança de registo. Acredita-se que isso é causado pela diferença de “carga” acústica destas vogais nas pregas vocais. Com efeito, esta carga acústica aumentada permite que as pregas vocais façam seu ajuste mais facilmente, porque elas não são obrigados a ser os únicas que exerçam a função de motores de resistência ao aumento da pressão da respiração quando o tom sobe. A carga acústica fornece a resistência necessária.

Alguns especialistas em voz cantada,  também sustentam que muitos dos problemas que as pessoas identificam como problemas de registro, são na verdade problemas de ajustes de ressonância. Isso ajuda a explicar a controvérsia sobre esta terminologia.

O importante, enfim, é que se use um ou outro, de forma adequada e que se busque sempre a orientação de um profissional da área, para ter mais qualidade e técnica vocal.

BEIJOS
IARA NEGRETE

Você pode gostar...